Top Menu

AINDA ENCONTRO A FÓRMULA DO AMOR


Misturei cloridrato de sódio com doses bem aplicadas de carência e mais um tanto de obsessão. O resultado foi um estrondoso barulho de explosão. Levou tudo, destruiu o laboratório do meu coração! Tive que pensar, refiz todos os cálculos. O que haveria de estar errado? Olhei bem. O X da paixão posto ao quadrado, bem ao lado da soma do cateto com a hipotenusa, resultou em falta de reciprocidade. Continuei...

Montei uma nova expressão numérica, infalível. Somei o dobro da minha entrega com a ideia que eu tinha feito do amor, apliquei a fórmula de beijos e amassos escondidos em becos escuros, deu tesão. Mas tesão não é amor. Prossegui.

Voltei ao laboratório e enfiei um novo elemento no frasco: medo. Esse eu consegui depois de muitas tentativas de combinações que falharam. Ao jogar o medo, a coisa toda se anulou, não deu em nada. E eu pude experimentar que medo não combina com amor, o amor é para os corajosos, concluí. Parei, pensei em desistir, lavei os frascos, fechei o laboratório, abandonei os cálculos. Fiz a coisa que todo empirista deve fazer em algum momento depois das falhas, antes da resposta, refleti.

O que eu estava fazendo de errado? Se sempre vi todas essas substâncias sendo empregadas como amor? Que fajuto. Me ensinaram um amor ciumento, egoísta, possessivo, obcecado. Nas novelas que vi, pessoas abriram mão de tudo em virtude do parceiro. Nos livros que li, submissão era a palavra. Me ensinaram um amor que se resumia aos amassos e desejos frenéticos, nada mais. Me ensinaram isso e aquilo, mas nenhum deles sabia o que era o amor.

Li muitos livros do assunto, tentei me embasar em teorias. Encontrei alguém que me disse em linhas que o amor não existia, que era uma soma de interesses, apenas. Não me conformei e nem tentei misturar os interesses procurando amor. Sabia que amor não era interesse. Voltei ao trabalho, e num "bum" de ideias fiz um novo cálculo, uma nova fórmula, uma ideia de amor. Exatamente, era esse o meu erro: eu buscava a criação de um amor ideal que também estava errado, que ora ou outra, derramaria dos meus frascos e tomaria algo do meu laboratório recém-construído.

Que diabos, então, era o amor? A palavra? O toque? Uma junção. Saí desnorteada. Decidi voltar para casa, mas perdi meu lar. Agora, sou só eu. No caminho, me encontrei, mais velha, um ar sábio, quase não me reconheci. Ao meu jovem ser, entreguei o que mais procurava, num saquinho pequeno, sementes para plantar. 

Finalmente, entendi. 
O amor que eu procurava não estava na exatidão e nem na minha forma de idealizar. 
O amor era semente, tive que plantar.


NATH SOARES
Uma menina-mulher, brasiliense, perdida nos sonhos e achada no meio das palavras. Escreve desde que aprendeu a unir letras para formar mensagens. Por ironia, cursa Letras, talvez para se entender. Ama a escrita, mas mantém paixões como violões que não sabe tocar, corações que não acha a porta e a saudade, que preza pela inspiração que lhe traz. Coleciona canecas, miniaturas e amores inacabados. Carrega vícios como café, livros, rock e MPB. De amor e romance, tem o ser inteiro.

Postar um comentário

Layout OddThemes | Distribuído por Gooyaabi | Modificado por Mafê Probst