O amor é brega. E quem não é?

quinta-feira, 24 de agosto de 2017

DESEJO PRA VOCÊ ALGUÉM MELHOR QUE EU





— Por que você é tão cruel com as pessoas que tentam chegar mais perto de você?
Um silêncio árduo tomou conta de todo o bosque e até as arvores pararam pra ouvir aquela que talvez fosse a nossa última conversa.
— Eu não sou cruel. Eu só,  às vezes,  não sei o que fazer. Na verdade eu quase nunca sei o que fazer. 
— Eu só queria saber pra onde foi aquele monte de promessas que você fazia quando ficava bêbado e entender o porquê de você ter esquecido esses meses de uma hora pra outra.
— Promessas não cumpridas são só promessas... E acho que quando abri uma das muitas garrafas de vinho e virei no gargalo e logo em seguida olhei pra você, eu percebi que não daria conta. Que era muito pra mim. E que aquele monte de promessas, uma hora ou outra, entrariam pra lista de promessas/coisas que eu queria fazer e não fiz. E isso me dói.
— Mas e agora, você está feliz?
— Não me lembro de um momento da minha vida que eu realmente fui feliz. Mas também não to falando que fui triste quando estava com você. Não sei te responder. Mas espero que saiba que você era um dos meus lugares favoritos no mundo. E você, está conseguindo tentar ser feliz?
— Eu sou péssimo em fingir. Mas eu acho que tô fingindo bem que estou conseguindo tentar ser feliz. 
— Agora não sei mais dizer se estou feliz em saber disso. 
— Você nem se importa.
— Como assim?
— Você só não se importa. 
— Mas como assim? Você acha que não me importo com você?
— Você não se importa com o que a gente sentiu e com o que os outros sentem. 
— Não é assim que funciona. Você só acha que me conhece.
— O que eu faço com esse monte de coisas aqui dentro?
— Eu não sei. Eu só sei que você deixou uma marca aqui e que sempre vai estar em algum canto de um texto meu. 
— Eu não quero estar em um texto seu. E foda-se que lá é o único lugar que você se sente seguro e eterno. Eu quero mesmo é acordar do seu lado e rir da sua cara de ressaca e depois contar o monte de micos e coisas sem sentido que você disse enquanto procurava por mais uma cerveja. Eu quero que a sua mãe me ache legal e que me convide pro almoço de domingo. Eu quero continuar no porta-retratos da sua estante. Eu quero estar sempre por perto porque eu continuo te achando lindo mesmo quando você tá fazendo uma coreografia estranha só com a sua cueca dos X-men. Eu quero sentir o seu perfume quando esbarrar em alguém por aí e sentir saudade e poder te ligar e conversar nem que seja por uns dois minutinhos. 
— Eu te entendo perfeitamente — E eu também queria tudo isso...
— Certeza?
— Sim — pausa pra cerveja — Mas eu não estou em um momento bom. E pra fazer alguém se sentir bem o suficiente pra eu acreditar que vai dar certo, primeiro eu tenho que estar bem sozinho. Quem sabe ainda não é a nossa vez. 
— Vou voltar pro fim da fila.
— Você tem um monte de coisas pra descobrir ainda.
— Eu sinto que esse monte de coisas são só coisas se descobertas sem você.
— Tem um monte de amores pra se viver por aí. Eu já te falei sobre isso.
— Eu sei. Mas eu só estou procurando uma copia sua vagando por aí. E nunca nada é tão bom como é com você. O que foi que você quis de mim nesse tempo todo?
— Eu só sei que, agora, eu quero que o homem que me suceder na sua vida seja incrível. Ele vai te tocar como eu nunca te toquei e não vai precisar ficar bêbado pra esquecer dos problemas. Ele vai saber ficar o tempo que você precisar que ele fique porque ele vai ser a solução e não mais um dos seus problemas. Ele não vai ter mistérios pra você ter o trabalho de desvendá-los e não vai ter medo dos seus pais. Ele não vai ser uma versão pirateada de mim. Ele não vai ter nada de mim, porque você não merece isso de novo. Você vai lê-lo e vai entender tudo como se devorasse as palavras. E vai se esquecer de todas as palavras decoradas sobre mim. Ele vai fazer amor com o seu corpo e você vai poder fechar os olhos enquanto o beija porque não vai mais fazer um grande esforço pra que ele não se pareça comigo no escuro. O homem que me suceder na sua vida vai ser incrível, e ele vai dar conta de sentir e te retribuir todo esse amor que você tem pra dar. E que você seja feliz de verdade, mesmo sem mim.


BRUNO FIGUEREDO
Poeta e Escritor. Capricorniano com ascendente em Paulo Leminski e lua em Tati Bernardi. Fã de ficção cientifica e de romances clichês. Dono do pseudônimo @sujeitoeu. Escrevo, mas escrevo sobre mim, e nem sempre sou só amor..

2 comentários:

  1. Intrínseco e real! Você é sentimentos, Bruno. Na vida, terás na minúcia escancarada alguém para retribuir esses sentimentos, reflita! Saúde.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. AAAAAAA OBRIGADO OBRIGADO OBRIGADOOOOO <3 <3 <3

      Excluir