O amor é brega. E quem não é?

quinta-feira, 18 de maio de 2017

SUAVES PRESTAÇÕES DE FELICIDADE

amor

Dizem que na casa do ferreiro o espeto é de pau. Quando ela esconde o sorriso, eu tenho certeza disso. Não, ela não é Ferreira. Ferro mesmo só os braquetes do aparelho. Ela é uma menina incrível que sorri tímida com os lábios, mas gargalha com a alma. Essa sim, sem nem um pingo de timidez.

A transparência dela é encantadora. E não é da roupa, que mostra as curvas delicinhas que ela tem, que eu estou falando. É uma parada muito mais profunda. É da verdade translúcida que ela traz nos olhos grandes e escuros. Também podia ser a transparência da pele dela, branquinha que dá pra ver cada veia pulsando.

Te falta melanina, mas te sobra coração, menina. E isso é do caralho. A cor a gente espera o próximo feriado e resolve isso na praia. No pior cenário, a laje te espera pra um banho de sol. 

Ela tem a paciência nula, a autoestima de uma leonina ímpar, e um humor par. Faz companhia com as minhas idiotices e piadas de tio do pavê. Ela é linda, mas a vibe dela é mais ainda. Tem um cuidado especial em cada coisinha que ela fez, fala ou faz.

Provavelmente esteja na hora de parar de falar, mas, como ela não sabe ver a hora nos ponteiros, eu vou ficar aqui. Só pra pirraçar. Só pra ela aprender a gostar. Deu ousadia, agora vai ter que aturar. Já que o relógio é só enfeite, vou te ajudar: tá na hora de você pagar o sorriso que me deve, mas vou cobrar em doses homeopáticas.

Suaves prestações de felicidade.

Pra vida toda.

DIEGO HENRIQUE.
Prazer, Diego Henrique, 24 anos, Paulista e solteiro. Um aquariano na casa dos vinte, que brinca com as palavras e coloca os sentimentos na ponta dos dedos.

0 comentários:

Postar um comentário