O amor é brega. E quem não é?

terça-feira, 30 de maio de 2017

A PORTA ESTÁ ABERTA


Me vejo e te reconheço em cada canto desse meu corpo que te pertence. É como se o seu olhar tivesse mãos e braços e pernas. E me sufocasse de amor ao direcionar sua pupila em direção aos meus seios. Tem tanto de você em mim que quase sempre me confundo diante do espelho. Me perco em memórias que nem a bússola da realidade é capaz de nortear os meus passos de volta ao presente.

Então, um dia, você resolve pegar suas roupas, pegar suas coisas, pegar tudo de você e levar embora. E se deixar aqui impregnado nas paredes do meu corpo. Digitais que se rebelam contra todos os meus mecanismos de defesa. Eu ainda consigo sorrir, ao sentir a sua presença acariciando o meu cabelo. Loucura, devaneios, sonhos.

Para onde foi e com tudo o que levou, será que coube um pouco de mim dentro da sua mala? Será que a saudade te visita, enquanto ela mora aqui comigo?

Dúvidas que me martirizam. Sentimentos que me complicam, nesse jogo complexo de espera. Nada flui. Parei. Respiro porque o ar entra de forma automática. Não teria coragem para buscá-lo, caso fosse necessário.

A porta aberta. Sempre esteve. Tanto que você saiu sem a minha resistência. Mas... Volta. Volta logo. Eu tenho pressa. Meu corpo tem pressa. Minha pele, acredite, não arrepia só com lembranças. Preciso que volte com tudo, inclusive com a parte de mim que ficou contigo.

Eu tentei, juro. Tentei continuar sem você. Mas, você não saiu por completo. A sua melhor parte ficou comigo e a minha maior parte levaste contigo.

Faltam peças nesse quebra cabeça. O sol brilha lá fora, mas não me esquenta como nos dias em que poderia passear lá fora segurando as suas mãos. Estou completamente incompleta. Dependente. Resistente a seguir em frente.

Volta logo. Seja breve. Eu só encostei a porta depois que você saiu. Mas, acredite, ela sempre esteve aberta.


EDGARD ABBEHUSEN.
Baiano cá do Recôncavo. Vizinho de Edson Gomes, Sine Calmon, fã de Dona Canô e dos filhos que ela deixou no mundo. Aspirante a jornalista e sonhador de um mundo melhor. Tenho axé correndo no sangue. Amor no coração. E entre acarajé e Sushi, eu fico com os dois.

0 comentários:

Postar um comentário