O amor é brega. E quem não é?

quarta-feira, 1 de fevereiro de 2017

SAI DE CIMA DESSE MURO

rogerio-oliveira

Eu não sei onde você quer chegar com esse seu chove não molha, mas, para ser bem sincera, eu me cansei. E não adianta fazer os seus joguinhos, tentando me convencer de que se eu for não serei feliz com mais ninguém, porque eu já estou vacinada e sei perfeitamente de que, com você, se eu ficar não terá futuro algum.

Antes eu até relevava. Quantas e quantas vezes tentei me convencer de que você mudaria? Que uma hora ou outra você se cansaria de insistir nas outras e perceberia que só eu tinha o que você precisava.
Por vezes me peguei chorando no chuveiro, pedindo para que Deus tocasse o seu coração e que Ele te fizesse me enxergar da forma que eu merecia.

Por vezes disse que não te procuraria mais. Que te excluiria da minha vida e te trataria da mesma forma que você vinha me tratando. Tentativa falha algumas vezes, e só de pensar que cai nas suas conversas meia boca onde parecia que tudo iria se ajeitar, me dá ânsia.

Claro que para mim não estava nada bem quando você insistia em sair com seus amigos e eles desconheciam a minha existência. Claro que eu me sentia incomodada quando perguntavam de mim para você e você logo desconversava dizendo que eu era apenas uma conhecida.

Dói ser tratada como segunda escolha. Ainda dói lembrar que você só me procurava quando a carência aflorava. Dói saber que fui seu passatempo e que só me procurou quando as outras te viraram as costas.

Deixei de correr atrás de quem nunca me pertenceu. E por mais que ainda doa, melhor sozinha do que vivendo pelas beiradas de um amor que só eu sustento. Cansei de viver pra você e ir aos seus encontros no meio da madrugada. Cansei de ser estepe, de massagear o seu ego, de tapar buracos de um vazio que você mesmo cria dentro de si.

Cansa ser disponível e perante os outros fazer papel de palhaça. Aprendi a me valorizar e a cuidar mais de mim. Podia ter me cozinhado menos em banho-Maria, e ter sido sincero a ponto de dizer que você não foi feito para se prender a ninguém.

Eu tenho minha parcela de culpa em permitir tudo isso. Em dar corda para os seus caprichos e acabar, por fim, quase me enforcando nela. Sei que não está acostumado a levar "Nãos", e que sempre achou que eu não me libertaria dessa migalha que você, há tempos, me oferece.

Sei que você achou que me tinha em suas mãos — e tinha mesmo. Mas chega uma hora que a gente cansa de fazer papel de trouxa e acorda para a vida. A gente arruma as malas e sai a francesa sem olhar para trás.

Demorei um tempo para entender o verdadeiro significado de "gostar de alguém". Te agradeço por todas as frustrações vividas até aqui e por me fazer entender que contigo não era amor, era comodismo, paixão, fantasia, ilusão... Era tudo, menos amor de verdade. Amor não machuca, não maltrata, não esconde do mundo, não priva o outro de ser feliz por inteiro, não diminui, não poda os sonhos, não menospreza, não causa medo. Amor como o seu? Deus me livre de novo!

Viver em cima do muro não dá!. Não serve para mim. Viver sendo metade de alguém é pouco demais para uma pessoa inteira e decidida como eu. Fica bem, porque depois de você, eu vou me cuidar em dobro, e me amar o triplo.



ROGÉRIO OLIVEIRA.
Escritor, publicitário, boêmio, amante da fotografia e da vida. Perceptivo e leitor de sentimentos alheios.

0 comentários:

Postar um comentário