O amor é brega. E quem não é?

terça-feira, 10 de janeiro de 2017

O QUE AQUECE MELHOR? AMOR OU COBERTOR?



❁ Ouça enquanto lê: Capital Inicial - A sua Maneira 

Eu adoro a contradição que ela é. Reclama do frio, mas dorme deliciosamente sem roupa. Uma camisola ou baby doll, raramente, mas preferencialmente sem nada. Ela diz que está frio e que leu em um best-seller adolescente que o calor humano aquece. Eu não discuto, inclusive concordo e digo mais: o corpo humano é a melhor fonte de calor e esse calor aumenta conforme a roupa sai. Paradoxal, mas delicioso. Igual a ela.

Ela gosta da ideia e se livra da minha camiseta, consequentemente da minha bermuda. Chega bem perto procurando abrigo. Abraço. Ela foge do frio e o quarto se torna o melhor esconderijo. Esconde a língua na minha boca e os lábios entre meus dentes.. O frio na espinha corre assim como as unhas dela nas minhas costas.. Os seios ficam rígidos, firmes, mas isso pouco tem a ver com o frio...

Escondo cada um deles com as palmas das minhas mãos, enquanto cravo as unhas e ela me lança um olhar cheio de tesão, pedindo por mais. Os corpos continuam em atrito tentando se esquentar, então me escondo entre os seios dela e depois dentro da boca. Ela, hospitaleira como é, recebe muito bem o convidado. Minha língua quente percorre todo o corpo gostoso que ela tem. O caminho do paraíso existe e, ironicamente é uma descida. Ela debruça e deixa as rosas à mostra. É um prazer refazer os traços da tatuagem com a ponta dos dedos, passando pelas rosas do quadril, do bumbum e acabando na que ela tem entre as coxas.

Junto as minhas rosas do braço com as que ela tem e, com alguns tapas, a tatuagem dela ganha tons avermelhados. Entrelaço os cabelos dela nos dedos e, bem juntinhos, nos livramos de qualquer sinal do frio. Às vezes, fugir e se esconder são as formas mais prazerosas de se manter vivo. E quente. Ela se ajeita dentro da conchinha e diz que o frio passou, mas vai ficar ali quietinha, só pra garantir. Eu? Nem reclamo. Além de calor, achei amor nessa mulher. Não tem frio que me faça sair daqui.

DIEGO HENRIQUE.
Prazer, Diego Henrique, 24 anos, Paulista e solteiro. Um aquariano na casa dos vinte, que brinca com as palavras e coloca os sentimentos na ponta dos dedos.

3 comentários:

  1. Delícia de texto, Di! Parabéns :) sou suspeita, né?

    ResponderExcluir
  2. Sensacional, como sempre!
    Sou fã <3

    ResponderExcluir
  3. Texto lindo demais... Até pensei em faZer novas tatuagens

    ResponderExcluir