O amor é brega. E quem não é?

sábado, 13 de agosto de 2016

VOCÊ É GIGANTE DIANTE DO MUNDO

dia-dos-pais

Quando nasci, eu era uma pequena bolinha cor de rosa e preguiçosa. Abri um olho só, mas já enxergava o mundo gigante. O tempo foi passando, o outro olho deixou a preguiça de lado e também se abriu, e eu descobri que o mundo, tão grande, era ainda maior visto de cima. E não havia lugar mais alto no mundo que o topo do teu colo.

Os anos foram passando, eu fui crescendo, mas teu colo ainda era o mais alto do mundo e o mundo era pequeno demais perto de você. Eu te olhava com admiração e te via um porto seguro e quando tudo ficava assustador demais, era teu colo que procurava, porque lá de cima, éramos inatingíveis.

Eu cresci e não coube mais no colo. A vida, tão pequena lá de cima, se tornou gigante diante de mim. Eu me vi dando os primeiros passos sem ter um par de mãos para segurar, me vi andando de bicicletas sem rodinha sem ter ninguém para me ensinar e quis voltar a ser pequena, só para caber de novo no colo alto e enxergar tudo pequeno, fácil, indolor. Você me ensinou a encarar a vida de frente e foi assim que fiz.

Continuo crescendo, todos os dias. E cada dia que transcorre, eu percebo que você, pai, tão gigante no mundo, na verdade é pequeno demais. Teus cabelos estão esbranquiçando, mas você ainda carrega o mesmo sorriso, de vinte anos atrás. Eu vejo o esforço que você faz para se fazer gigante e vejo o esforço que fazemos, às vezes, para nos tornar pequenos e assim deixar com que você sinta toda aquela majestade que tinha, quando nada era páreo para a imensidão do teu colo.

Eu estava lendo, pai, uns textos soltos sobre os diferentes tipos de pai e concluí, com o riso transbordando, que você se enquadra em praticamente todos eles. Eu queria deixar aquele parabéns melado, como bolo de nega maluca recheado de doce de leite e te dizer, sem delongas, que você está mesmo de parabéns, porque fez tudo direitinho. Não é à toa que, quando lemos sobre pais, a gente te enxerga nas narrativas. A gente te enxerga porque você é. E mesmo o mundo te fazendo pequeno e nós te percebendo frágil, carregamos aquela fé imensurável de que você é uma rocha inatingível e eterna.

Obrigada por ser, do teu jeitinho, o melhor pai do mundo ♥

MAFÊ PROBST.
Santa Catarina. Escritora, blogueira e engenheira. Praticamente uma hipérbole ambulante. Autora de Saudade em Preto e Branco. Tem dezenas de projetos em andamento e sonha abraçar o mundo. Colecionadora de sorrisos, dentes-de-leão e clichês.

4 comentários:

  1. Eu sempre sou suspeita pra falar dos teus textos, né? Eu sei, mas esse tá... Sem palavras. O pensamento é reconfortante. Cê sempre sabe tocar a gente.

    ResponderExcluir
  2. Mafê, que lindeza. Texto doce. E deu vontade de comer nega maluca agora. Feliz dia!

    ResponderExcluir
  3. E termino de ler com as lágrimas rolando, vendo um tanto do meu pai nesse teu jeito lindo de falar do teu, Fê. Obrigada por esse texto, de verdade!
    Um beijo bem grande, e que seu pai possa ser esse colo sempre, porque eu sei como a gente precisa!

    ResponderExcluir
  4. Mafê,

    É impossível não se sentir abraçada com o teu texto. Lendo ele posso vislumbrar os traços do teu pai em você. Você se parece bastante com ele. Principalmente no sentir e transmitir. Que sorte a de vocês serem pai e filha. Que sorte que ele tem de ser tão amado assim <3

    ResponderExcluir