O amor é brega. E quem não é?

quarta-feira, 22 de junho de 2016

JOGOS DE AMOR: O MATA MATA DA NOSSA GERAÇÃO


No jogo do amor, qual é o seu placar? Está com vantagem, no zero a zero, ou já tomou um 7x1? No jogo do amor que você resolveu jogar, quais são as regras? Quem é que apita? Tá na ofensiva ou prefere jogar na retranca? Seja qual for a resposta, pare agora mesmo. Saia do campo, abandone a partida. Deixe que considerem um W.O. Pendure a chuteira e sente no vestiário que eu tenho coisas pra te contar.

Você precisa saber: jogos de amor não são pra se jogar.

Não há jogo mais fadado ao fracasso do que esse. Não há jogo com tantos blefes e tantas contusões. Quem se sujeita a jogá-lo pode até marcar ponto, mas nunca vai sair campeão na vida. O amor de verdade não tolera encenação, não aceita truques, não gosta de dribles.

Ações como “esperar duas horas para responder uma mensagem”, “fingir que vai sair no fim de semana só para parecer ocupada” e “nunca mandar a primeira mensagem” são erros graves. Então, eu te autorizo agora a dar um cartão vermelho para qualquer pessoa que te incentive a fazer isso.

Vou repetir uma coisa que já disse : Parem de achar que indisponibilidade é item afrodisíaco. Gente que não tem tempo pra sair, bater papo, tomar cerveja e depois dar uns bons beijos são chatas pra caramba. São aquelas pessoas que não passam pela vida, apenas vivem esperando a vida passar. Sem feitos. Sem marcas.

O amor não é um jogo, mas um exercício. Então começa praticando sendo verdadeira com você mesma. Sabe aquele lance de treinar na frente do espelho antes de conversar com alguém? Pois bem, é isso. Conte a você mesma quais são seus verdadeiros desejos, em alto e bom som. Vale treinar quantas vezes for preciso até que você esteja pronta pra contar para o outro. Mas não corte essa cena da sua história. Não deixe essa página em branco.

A regra é clara: Quem está afim, marca presença. Então parem de demonstrar o contrário, porque nós já conseguimos ir até a Lua, mas ainda não temos bola de cristal. Certo? O mesmo vale para a outra pessoa.

Tá sempre cansado, cheio de trabalho ou tem aniversário da avó todo o dia? Manda passear, porque está te cozinhando, e até onde sei, meu bem, aqui ninguém quer viver em banho maria. No amor, quem vence é a vontade, a persistência. Não há espaço pra indiferença.

Se o amor não é um jogo, não aceite ser reserva.

E se for pra praticar o mata mata, que não seja o que há de mais precioso dentro de nós. Vamos começar eliminando os que têm medo do risco, os que sufocam os próprios sentimentos e os sentidos alheios. Vamos eliminar os que mentem por medo de dizer a verdade, os que alimentam esperanças covardemente só pra alimentarem seus próprios egos.

De agora em diante, fica decidido: O amor é uma corrida. Respira e vai.

*Fonte da imagem*

ANA CAROLINA SOUZA
Jornalista por indução do destino, são paulina por carma. Apaixonada por gatos, praia, livros, carnaval, coca cola e umas delícias a mais. Aquariana com ascendente em áries. Tia babona. Mulher forte e chorona. Menina boba, dessas que escreve para não explodir e ainda acredita no amor.

3 comentários: