O amor é brega. E quem não é?

terça-feira, 21 de junho de 2016

AMOR NÃO É MERCADO E PESSOAS NÃO SÃO PRODUTOS


A cada dia que passa cresce o percentual de pessoas (homens ou mulheres) que sobe o muro das lamentações com o já conhecido tema: tá difícil conquistar alguém que esteja à altura dos meus anseios. Bom, diferente das relações afetivas estabelecidas em épocas passadas - onde casamentos eram “comercializados”, irmãos eram vigilantes de mão boba e, praticar um beijo, era mais complexo que calcular a resistência dos materiais - hoje o mundo vive a supremacia da liberdade de escolha.

Assim como ocorre nas seletivas de emprego, as pessoas estão cada vez mais exigentes e não hesitam em optar pela “melhor e mais assertiva” opção. Não raramente escutamos a ala feminina dizer: “ai amiga, ele até que é gostoso, bonito e extrovertido, mas... não estuda!” enquanto isso, homens da mesa ao lado lamentam: “poxa velho, ela é gata e gente boa, mas... é muito rodada”. Não seja exigente em demasia e deixe seu critério de seleção imperar sobre decisões gastronômicas (com glúten ou sem?! Açúcar ou adoçante?! Amargo ou doce?!). Pessoa ideal não possui manual de instrução, rótulo ou bula.

Me escuta aqui, enquanto se tem a falsa impressão de estar escolhendo (ou esperando) o melhor, você deixa de aproveitar momentos incríveis e conhecer pessoas fantásticas. Se for preciso quebrar a cara, vá em frente, mas, nunca – de forma alguma - volte pra casa com o sabor amargo do desejo reprimido. Não estou dizendo pra você sair por aí como degustador(a) de seres humanos e levantar uma placa com os dizeres: “Pode vir que eu tô 'facinho”, mas vale a pena se permitir. Ninguém é igual a ninguém, portanto pare de buscar a personificação do(a) ex em tudo. Passe a encarar alguns defeitos como qualidades exóticas e viva a plenitude das descobertas.

Pessoa ideal será aquela que estiver disposta a te fazer feliz custe o que custar, que respeite suas diferenças e saiba explorar a mina onde estão guardados seus melhores sorrisos. Pessoa esta que não te exiba como troféu, no entanto, reconheça o trunfo que é estar ao seu lado. Pessoa que saiba reconhecer o dia em que você esteja afim de ensurdecer ao som da sua particularidade, no mais profundo silêncio.

A humanidade está muito ocupada amando currículos, mas se esquece que amor não é um concurso. Amar é apontar todas as armas para a felicidade e acertar em cheio o alvo, buscando de forma bilateral alcançar o sentimento único. É deitar pensando, dormir sonhando e despertar imaginando a projeção das inúmeras possibilidades de percorrer juntos a rota da plenitude – composta por lombadas da dificuldade, curva acentuada da divergência e intriga dos atalhos.

Sim! O caminho pode não ser uma pacata reta envolto por flores, contudo vale a pena seguir, pois só vive intensamente aqueles que morrem de amor.

Nesta vida estamos, a todo instante, sofrendo julgamento quanto as nossas atitudes. Somos reprovados por pensar diferente deste ou daquele indivíduo, mas, afinal, quem está certo? Se a sua opção for realmente flertar com a solidão e fechar as portas de toda e qualquer investida alheia, fique à vontade! Só não deixe que sua vida seja definida em virtude daquilo que a sociedade espera a seu respeito.

DIEGO AUGUSTO
Mineiro de Belo Horizonte, engenheiro de produção por profissão e escritor por paixão. Amante da vida e das pessoas, acredita que os sonhos embalam a vida e o amor propulsiona os sonhos. Odeia o mais ou menos e pessoas que querem progredir cedo acordando tarde. Apreciador de cervejas e conselheiro de temas que pautam as mesas de bares.


*fonte da imagem 

3 comentários:

  1. Obrigado Gaby... É uma honra receber elogios de quem sou fã!

    ResponderExcluir
  2. Obrigado Gaby... É uma honra receber elogios de quem sou fã!

    ResponderExcluir